Javascript de carregamento do Framework Jquery

Na manhã desta segunda-feira, 11 de novembro, o Arena BsB – consórcio vencedor da licitação de concessão do ArenaPlex – divulgou os três finalistas do concurso arquitetônico do boulevard comercial que irá compor o Complexo Esportivo do DF, e ficará entre o Estádio Nacional Mané Garrincha, o Parque Aquático Cláudio Coutinho e o Ginásio de Esportes Nilson Nelson. Trata-se de um grande espaço integrado de convivência, entretenimento e lazer, na área central da capital do País, com espaço para cinemas, bares, casas de espetáculos, restaurantes, academias e lojas. Os nomes foram conhecidos durante coletiva de imprensa realizada na Tribuna de Honra do Estádio Nacional.

Profissionais de todo o País participaram do certame, realizado em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB-DF). Ao todo, 46 projetos foram inscritos. Rodrigo Salvati, da Salvati Empreendimentos Imobiliários LTDA, de Caxias do Sul (RS); Andre Augusto Prevedello, da AP Arquitetos, de Curitiba (PR); e de Eder Rodrigues de Alencar, da ARQBR Arquitetura e Urbanismo, de Brasília (DF) foram os finalistas eleitos pela comissão julgadora. Em 9 e 10 de dezembro, eles irão detalhar seus projetos e reapresentá-los aos jurados. O resultado final será divulgado no dia 14 do mesmo mês. O prêmio é de R$ 5 milhões.

Segundo o diretor de Novos Negócios da Terracap, Sérgio Nogueira, o concurso urbanístico era uma exigência do edital de licitação. “A divulgação de sua primeira fase marca mais uma etapa concluída rumo ao novo momento que o Complexo Esportivo representará para Brasília: tanto do ponto de vista de fomento ao esporte e entretenimento para os cidadãos, quanto da geração de emprego, renda e tributos, quando se tornará efetivamente um gerador de receitas para o Distrito Federal”, ressalta.  

Durante a coletiva de imprensa em que foram conhecidos os finalistas, Richard Dubois, diretor-presidente da Arena BsB, disse que houve real interesse do mercado da arquitetura em participar de um projeto que comporá um dos mais bonitos cenários do Brasil, junto ao Eixo Monumental da capital do Brasil. “Temos escolhidas três opções viáveis, então, o boulevard deixa de ser sonho para ser uma realidade”, conclui.  

Para a construção do boulevard, estima-se investimento na ordem dos R$ 500 milhões. Do montante, R$ 300 milhões serão desembolsados pela Arena BsB e o restante oriundos das empresas que se instalarão no local. As obras devem ser iniciadas no segundo semestre de 2020, com a conclusão da primeira etapa prevista para 2022.

Histórico

Em julho passado, a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) e a empresa Arena BsB assinaram o contrato de concessão, por 35 anos, do Centro Esportivo de Brasília, o ArenaPlex. Além da gestão do complexo, que abrange o Estádio Nacional Mané Garrincha, o Ginásio Nilson Nelson e o Complexo Aquático Cláudio Coutinho, o modelo de negócio prevê a construção de um boulevard, cujo concurso está definindo o projeto arquitetônico e urbanístico.

A partir da assinatura, passou a contar o período de operação assistida, que dura 180 dias. Findado este prazo, o Arena BsB passa a gerir integral e exclusivamente a operação do Complexo.

A concessão do equipamento público promete inserir Brasília no circuito nacional de grandes eventos, conforme já acontece no eixo Rio-São Paulo, transformando a rotina do brasiliense e atraindo à capital federal pessoas de outras cidades em busca de cultura, arte e grandes competições esportivas. No Mané, a população poderá aguardar por jogos de futebol de relevância, assim como shows com nomes nacionais e internacionais.

Também serão adequadas e modernizadas as instalações do Ginásio Nilson Nelson. Os principais eventos previstos para o local são jogos de basquete, vôlei e shows e espetáculos que atraiam público de 10 a 15 mil pessoas. O Claudio Coutinho, por sua vez, manterá o programa de utilização social. Atualmente, o complexo aquático recebe mais de 3 mil crianças e adolescentes, que praticam natação, polo aquático, salto ornamental, karatê, judô e deep water. A ideia é promover a massificação do acesso ao esporte e, ainda, sediar campeonatos regionais e nacionais de desportos aquáticos.