Javascript de carregamento do Framework Jquery

Buscar

Total: 10 resultados encontrados.

  • Noroeste segue recebendo melhorias

    Ao percorrer o Noroeste, os moradores têm se deparado com canteiros de obras distribuídos em diversos pontos da região. O motivo são as várias melhorias que o bairro tem recebido graças à recursos da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) destinados à implantação de infraestrutura no setor habitacional. E a lista só aumenta. Agora, mais um item fará parte desse conjunto: a execução de pavimentação, sinalização e drenagem de estacionamentos públicos. Na SQNW 102, Projeções G e H, serão feitos os três trabalhos, enquanto que na SQNW 104, Projeção I, apenas o de pavimentação.

    Os projetos serão colocados em prática mediante empresa responsável. A Agência, assim como nos planos anteriores, realizará a contratação por meio de edital de licitação. O processo saiu no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) da última quinta-feira (8/10).

    Pavimentação é uma ação que trata de revestir o solo. No caso dos novos estacionamentos, o piso será composto por pavimento intertratavo. Esse modelo nada mais é que um conjunto de blocos de concreto lembram o formato de um quebra-cabeças. O diretor técnico da Terracap, Hamilton Lourenço Filho, explica o motivo da escolha. “A vantagem da utilização desse material é a segurança que ele fornece, visto que não desloca, rotaciona ou translaciona com facilidade”.

    Para proporcionar maior durabilidade ao calçamento, é necessário aderir ao método de drenagem. A ação evita a umidicação do solo ao efetuar escoamento de água utilizando aparelhos, como: canos, valas, túneis e fossos.

    Quanto à sinalização, foram dimensionadas 28 vagas aos estacionamentos. Desse total, oito serão atribuídas ao uso exclusivo. Quatro para idosos e a outra metade para portadores de necessidades especiais.

    Demarcação horizontal e vertical

    Outra demanda para no projeto são as demarcações horizontal e vertical. A primeira visa informar melhor as pessoas e organizar o fluxo da via. Para dar mais eficiência e clareza à mensagem, são utilizadas quatro cores para pintura. Cada uma delas possui uma finalidade. A amarela demarca obstáculos e fluxos de sentidos opostos e espaços proibidos. Já a branca é utilizada para fluxos de mesmo sentido e faixas de pedestres. A vermelha, por sua vez, demarca ciclovias, ciclofaixas, símbolos de farmácias e hospitais. Enquanto a azul é usada para pontuar locais de embarque e desembarque de pessoas com deficiência física.

    Já a demarcação vertical é composta pela fixação de placas com símbolos e legendas, as quais transmitem avisos com objetivos específicos, como, por exemplo, as placas de pare e as que indicam a velocidade da via.​

    Luana Correa, sob a supervisão de Suzana Leite
    Assessoria de Comunicação Social
    Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap)
    Foto: Daniel Santos/ Ascom Terracap
    ascom@terracap.df.org.br

    2020-10-13 19:36:15 - Cartilhas
  • Traçado da nova W9 já aparece no Noroeste

    As obras de execução da complementação da W9, no Setor Habitacional Noroeste, que recebem R$ 1,7 milhão de investimentos da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), seguem em andamento. Já se pode ver por onde os carros irão trafegar na nova Avenida dos Ipês – como será chamada a via. Isso porque já foi feita a limpeza de toda a vegetação do local. Agora, é realizada a demarcação topográfica para traçar o pavimento da pista. Após concluído este passo, prosseguem a drenagem pluvial e a pavimentação asfáltica – de 650 metros  – finalizando as obras, sob responsabilidade da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap).

    Uma vez concluída, a W9 permitirá o tráfego de veículos entre o Setor de Transporte Norte (STN) e a DF 040, próximo ao Setor de Recreação Pública Norte (SRPN). A via terá duas pistas com três faixas cada uma.

    Segundo o diretor Técnico da Terracap, Hamilton Lourenço Filho, a nova avenida terá capacidade para aguentar um fluxo maior de carros. “Estamos entusiasmados com a finalização da W9, no Noroeste. A previsão é que a obra seja entregue à população até o final do ano”, ressalta.

    A W9 é a principal avenida no projeto urbanístico do Setor Habitacional Noroeste e uma demanda antiga de moradores da região, assim como um antigo anseio do setor produtivo local. A obra ficou parada desde 2004 aguardando uma conciliação entre os poderes públicos e comunidades indígenas, que ocupavam um trecho da área onde passará a via.

    Em outubro de 2019, a Terracap, a Defensoria Pública do Distrito Federal, a Defensoria Pública da União, o Ministério Público Federal, a Funai e as famílias das etnias Kariri-Xocó e Tuxá assinaram um termo de compromisso entre as partes para a transferência das famílias para nova área, nas imediações do bairro.

    No início do mês de julho, a Terracap entregou as chaves das casas provisórias à cacique Ivanice Tanoné, representante das tribos. Com o cumprimento do acordo, foi dado início imediato às obras. Somente para a complementação da via, serão utilizadas 1,3 mil toneladas de massa asfáltica, estima a Novacap.

    Para o diretor de Urbanização da Novacap, Sérgio Lemos, a W9 vai beneficiar os moradores de toda a região, assim como ajudar a melhorar o Índice de Desenvolvimento Humano do Distrito Federal. “Fazer uma cidade com planejamento, que atenda a todos os requisitos necessários de infraestrutura, é diferente de fazer uma engenharia reversa. Quando entramos, por exemplo, com saneamento, pavimentação, melhoramos a qualidade de vida das pessoas”, diz.

    Desenvolvimento

    Uma fez finalizada, a W9 tem grande potencial de trazer desenvolvimento para a região. É o que explica o presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi), Eduardo Aroeira. Para ele, a desobstrução da via w9 terá alto impacto na qualidade de vida dos moradores do bairro.

    “A W9 foi projetada para ser a principal via do Noroeste. Com as obras concluídas, naturalmente grande parte do tráfego do bairro passará por ela”, sintetiza. Aroeira comenta que adjacente à via se encontra a grande maioria dos empreendimentos comerciais do bairro, principalmente lojas. “Essa abertura, então, significa o estímulo para o comércio no bairro, gerando emprego e renda para a cidade”.

    Entenda o acordo

    O local demarcado para a construção da reserva indígena é conhecido como ARIE Cruls. Na área de 14 hectares será construída, em definitivo, a Reserva Indígena Kariri-Xocó e Tuxá do Bananal-DF. A Terracap deverá implementar, no prazo de um ano, a infraestrutura da área, que inclui o sistema de abastecimento de água, esgoto e energia. Ainda serão construídas 16 unidades habitacionais, uma estrutura de guarita, um centro cultural, sete ocas pequenas, um terreiro, além de uma casa de produção de farinha para apoiar a sustentabilidade da aldeia. Todo o perímetro da reserva foi cercado pela Agência.

    Suzana Leite
    Assessoria de Comunicação Social
    Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap)
    ascom@terracap.df.org.br

    Foto: Tatielly Diniz/Ascom Terracap

    2020-07-31 22:17:12 - Cartilhas
  • Terracap investe na revitalização de 11 quadras da W3 Sul

    O Conselho de Administração da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) aprovou, nesta quinta-feira (16/7), convênio que permitirá continuidade à revitalização da W3 Sul. O investimento previsto de R$ 18,8 milhões permitirá devolver à avenida e suas calçadas o movimento vívido do local, marca de Brasília até os anos 1980. O projeto contemplará as quadras 502, 503, 504, 505, 506, 507, 508, 513, 514, 515, e 516.

    O convênio firmado entre a Terracap e a Secretaria de Estado de Obras e Infraestrutura prevê a readequação do sistema viário com estacionamentos, a acessibilidade e paisagismo, além de obras complementares de drenagem e sinalização nas quadras.

    “Na prática, as intervenções, além de organizar o espaço público, irão trazer mais conforto e caminhabilidade aos pedestres, permitindo que a população possa, novamente, ter uma experiência prazerosa de lazer, convivência e consumo, pela via comercial da W3”, antecipa o presidente da Terracap, Izidio Santos.

    As primeiras quadras a receberem as obras de revitalização são as 515/516 sul. A licitação já será próximo dia 18. Um dos destaques do projeto é a recuperação total das calçadas, que passará a ser única com piso igual em toda sua extensão, sem desníveis e totalmente adequada para o trânsito de pessoas.

    “A licitação das quadras 515/516 Sul marca a continuidade do projeto de revitalização deste importante centro comercial da cidade. Nosso cronograma está mantido para que as obras em todas as quadras da W3 sejam iniciadas neste ano”, destaca o Secretário de Obras, Luciano Carvalho. “Todo o Governo está empenhado em dar continuidade ao processo para que possamos recolocar a W3 Sul no papel de importante centro comercial do DF”, acrescenta.

    Prioridade de governo

    Ainda em junho, eram as quadras 509/510 Sul que recebiam as obras de revitalização. Concretagem dos becos entre os blocos, limpezas das pedras portuguesas, piso intertravado, entre outras melhorias foram feitas no local, aproveitando a diminuição do fluxo dos pedestres, com o comércio fechado.  Já as quadras 511 e 512 Sul foram finalizadas ainda no início do ano. 

    As intervenções são resultado de um trabalho conjunto de diversos órgãos do governo local. Cerca de 75% de todo o investimento aplicado nas obras da via W3 são oriundos da Terracap.

    Nova experiência

    Para atrair a população à comercial da W3 e estimular a circulação de pedestres no local, as o projeto previu conforto. A via já tem grande acessibilidade para quem usa transporte público, mas, para aqueles que utilizam veículo próprio, as melhorias começam no estacionamento: haverá organização das vagas, por meio da colocação de novo piso e da demarcação, inclusive para motos, idosos, pessoas com deficiência e áreas de carga e descarga. 

    As quadras 511 e 512 sul, já revitalizadas, ficaram assim: as calçadas têm largura mínima de 2 metros de largura voltadas à W3 Sul, e de 1,2 metro para as que dão acesso às vias laterais. Os passeios voltados à W3 Sul foram divididos em três faixas. A faixa de serviço, mais próxima da pista, foi destinada à instalação de postes de iluminação, paraciclos, lixeiras e vasos de plantas. Nessa área, foi mantido o piso em pedras portuguesas.

    Nas faixas livre e de acesso aos edifícios, por sua vez, o piso foi substituído por concreto. Essa medida garante mais resistência à ação do tempo. Um ponto importante foi a retirada de desníveis ao longo da calçada e a colocação de sinalização tátil para proporcionar uma circulação segura. As travessias (acesso às faixas de pedestres), por sua vez, seguiram as normas de acessibilidade universal, que estabelece inclinação máxima de 8,33% para as rampas.

    Redesenho da área pública, iluminação com lâmpadas de LED e paisagismo também compuseram o novo visual das quadras.

     

    Por meio de um convênio, a Terracap e a Secretaria de Obras e Infraestrutura darão continuidade às obras de revitalização da W3 Sul. Ao todo, serão 11 quadras restauradas. Com o investimento de R$ 18,8 milhões feito pela Terracap, será possível fazer a readequação do sistema viário com estacionamentos, acessibilidade e paisagismo, além de obras complementares de drenagem e sinalização das quadras.

    Além de organizar o espaço público, as obras irão trazer mais conforto e caminhabilidade aos pedestres, permitindo que a população possa, novamente, ter uma experiência prazerosa de lazer, convivência e consumo, pela via comercial da W3

    As primeiras quadras a receberem a revitalização são as quadras 515/516 sul. 

    2020-07-17 18:52:16 - Cartilhas
  • Demarcação de Lotes para Particulares e Órgãos Públicos

    A demarcação serve para determinar os limites de seu terreno, e é necessária para obter o alvará de construção junto à Central de Aprovação de Projetos – CAP. Depois de realizada a demarcação é expedida uma Declaração de Demarcação que é enviada ao e-mail do solicitante.

    Cliente: Pessoa física ou jurídica.

    Prazo para realização do serviço: em até 21 dias úteis contados a partir da data de pagamento da taxa de demarcação (considerando a compensação bancária).

    Documentação necessária:

    • Documentos pessoais (RG e CPF ou CNPJ);
    • Escritura ou Contrato de compra ou Contrato de Concessão ou Certidão de Ônus do imóvel; (Para imóvel sem registro que seja objeto de contrato com a Terracap, apresentar o Termo de ocupação e a planta).

    Valor do Serviço: Valor calculado pela área do lote, a partir de R$431,67 (quatrocentos e trinta e um reais e sessenta e sete centavos). Não emitimos segunda via. Em acaso de extravio, é cobrado pela realização de novo serviço. Valor atualizado em janeiro de cada ano e disponível no link: https://www.terracap.df.gov.br/index.php/listagem-faq/37-assuntos-diversos/77-como-faco-para-demarcar-o-meu-terreno

     

    Como acessar: Utilize o requerimento online disponível em nossas plataformas virtuais listadas abaixo.

    Atendimento virtual:  https://servicosonline.terracap.df.gov.br/

    Atendimento via App:

    Atendimento presencial:  Gerência de Atendimento ao Cliente – GEATE das: 7h às 19h em dias úteis

    2020-06-29 20:30:28 - Sem Categoria
  • Gerar documentos (já tenho o imóvel)
    2019-08-13 22:49:19 - Serviços Online
  • Terracap inicia força-tarefa para regularização de terras em comum

    A construção de Brasília, há quase seis décadas, só foi possível com a desapropriação das fazendas que ocupavam à época o Planalto Central. Dos 5,8 mil km² que compõem todo o território do Distrito Federal, cerca de 9% são Terras em Comum, ou seja, foram desapropriadas, mas não há definição precisa de quais são parcelas públicas ou particulares. O imbróglio permanece até os dias atuais, e é um prato cheio para a grilagem de terras.

    Para solucionar este antigo problema, a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) criou um grupo de trabalho com o objetivo de regularizar as terras desapropriadas em comum. A portaria foi publicada no Diário Oficial do DF do dia 26 de julho.

    De acordo com o diretor de Regularização Social e Desenvolvimento Econômico, Leonardo Mundim, tratam-se de áreas em que a Terracap é dona da terra, mas junto com ela, há vários outros coproprietários. “Falamos de, aproximadamente, 522 milhões de metros quadrados, em várias partes do Distrito Federal. Para se ter uma ideia, o Paranoá quase inteiro é terra desapropriada em comum”, explica o diretor.

    A partir de agora, o grupo criado terá 180 dias prorrogáveis por igual período para concluir os trabalhos.

    A primeira medida será fazer um grande diagnóstico, identificando as matrículas dessas terras. Isso permitirá à Agência criar uma base de dados, contendo a identificação dos proprietários registrais, como nome, dados da área, contatos, etc.

    Em seguida, a Terracap irá publicar um chamamento, convocando os coproprietários ou seus representantes para a realização de acordo de demarcação e divisão amigável. Obtido o acordo, será formalizado processo judicial de homologação, ouvindo o Ministério Público e, posteriormente, será realizado o registro da sentença nos cartórios imobiliários, gerando a separação formal das propriedades.

    “Será um grande desafio, algo que deveria ter sido resolvido há 60 anos. Neste primeiro momento, trataremos em nível de superfície da terra, ou seja, apenas para definir e individuar as propriedades registrais, e buscando sempre a saída consensuada”, relata o diretor.

    A Lei Federal 13.097/2015 traz um marco legal ainda pouco conhecido. Segundo Mundim, num resumo simplista, a lei diz que o que não está na matrícula do imóvel, não está no mundo. “Este será um dos marcos legais, e ao final do trabalho a Terracap terá condições de partir para a segunda etapa, que será o parcelamento e a regularização de eventuais ocupações consolidadas, sobre as terras onde for reconhecida a propriedade exclusiva da empresa pública”, antecipa o diretor.

    A primeira reunião do grupo de trabalho, formado por técnicos de três diretorias e da presidência da Agência, foi realizada na terça-feira, em 30 de julho.

     

    2019-08-02 14:19:41 - Cartilhas
  • Projeto Terracap Digital Moderniza Atendimento ao Cliente

    IMG 3465

     

    Serviços como o acesso à Declaração de Nada Consta e a entrega de propostas no âmbito do Programa de Venda Direta já podem ser realizadas pelo site da empresa de forma mais ágil

    Filas enormes e demandas que ainda necessitam da presença do cliente na empresa para serem atendidas são situações que podem ser evitadas. A Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) sabe disso e busca, desde 2016, desburocratizar ainda mais os seus processos internos e melhorar o atendimento, com soluções que estão a um clique de distância.

    O Projeto Terracap Digital objetiva, justamente, oferecer a possibilidade de o cliente ter acesso aos serviços da empresa de forma digital. No terceiro Café com TI, que ocorreu em 7/12, no auditório da empresa, a Coordenação de Informática (Codin) apresentou as atualizações realizadas nos sistemas da empresa não apenas para dar mais qualidade no atendimento, como também para aumentar a produtividade dos empregados.

    A novidade apresentada vai beneficiar os moradores de áreas a serem regularizadas. No próximo edital do programa da venda direta, o cliente poderá preencher a proposta e localizar o seu imóvel pelo site da empresa. Automaticamente, será enviado um e-mail com a documentação que ele precisa entregar presencialmente. Isso vai evitar filas e tornará o atendimento mais ágil.

    De acordo com Clayton Carneiro, chefe da Codin, o próximo passo é permitir que o cliente faça o upload dos documentos. A expectativa é de que essa funcionalidade esteja disponível em abril de 2019. “Precisamos tirar o cliente de dentro da empresa. Oferecer os melhores serviços para ele, de maneira digital. Para que ele não tenha que se deslocar até aqui para entregar a proposta da venda direta”, afirma.

    A automação na conferência da escritura também foi outro avanço. A gerência comercial tem três empregados exclusivos para a conferência de escrituras. Um empregado leva trinta minutos para conferir um documento. Com a modernização implantada, o sistema fará a conferência de 20 escrituras em um minuto. A meta é que o prazo da entrega da escritura passe de seis meses para 80 dias.

    Além dessas atualizações, a Terracap também disponibilizou anteriormente o aplicativo da empresa para dispositivos móveis. Por meio desse app, o cliente consegue se cadastrar para participar do Programa da Venda Direta, localizando o imóvel pelo GPS.

    Outros serviços ainda serão implantados de forma digital. Entre eles encontram-se a solicitação de demarcação, Gestão do Patrimônio Imobiliário, demarcação de lotes a aquisição de sistema de gestão. “O objetivo é tornar a Terracap 100% digital”, conclui Clayton Carneiro.

    O Café com TI é um evento promovido internamento pela Codin, que ocorre a cada três meses. O objetivo é tornar público os avanços da Tecnologia da Informação na empresa.

    Ascom/Terracap

    3342-2328/1137

    ascom@terracap.df.gov.br

     IMG 3448

    IMG 3456

    IMG 3485

    IMG 3491

    IMG 3494

    IMG 3522

     

    2018-12-13 14:39:20 - Notícias
  • Acordo firmado com moradores permite a venda direta dos lotes da Etapa 2 do Jardim Botânico

    Entendimento entre Terracap, União dos Condomínios Horizontais (Única) e condôminos vão permitir o avanço da regularização fundiária na região

    Acordo celebrado entre Terracap e representantes dos condomínios da Etapa 2 do Jardim Botânico garante o avanço do processo de regularização

    A Terracap, a Única (União dos Condomínios Horizontais) e os síndicos dos parcelamentos da Etapa 2 do Jardim Botânico, baseados no interesse público comum de todas as partes, assinaram um acordo na tarde dessa quarta-feira, 25/10, nos moldes do artigo 16º, da Lei 13.465/2017.

    Pelo entendimento firmado entre as partes, a empresa acrescentará uma cláusula nas escrituras de compra e venda, que prevê a devolução dos valores pagos a título de regularização fundiária, caso seja comprovada, por sentença judicial transitada em julgado, em ação demarcatória, que a Etapa 2 do Jardim Botânico situa-se em terras privadas.

    O acordo tem efeito imediato, o que permite o lançamento do edital de convocação de todos os moradores, para que eles exerçam o direito de comprar o imóvel diretamente da Terracap.

    O presidente da Terracap, Júlio César Reis, ressalta que a marca da empresa no processo de regularização tem sido a conciliação. “O governador Rodrigo Rollemberg colocou como prioridade em seu governo avançar na regularização fundiária. Estamos seguindo firme para cumprir esse compromisso. Depois de 10 anos de disputa judicial, chegamos em um bom termo com os moradores da Etapa 2 do Jardim Botânico. Por meio do diálogo, superamos nossas divergências”, diz.

    Para Pasquale Matafora, representante do condomínio Jardim Botânico I, o acordo não vai prejudicar o direito de demarcação e garante a continuidade do processo de regularização. “Não poderíamos esperar a decisão da Justiça para o processo avançar. Se houver a comprovação que a área é particular, vamos receber a indenização. Enquanto isso, o processo de regularização avança e garantimos a escritura. O direito das partes é preservado”, reforça.

    Entenda o caso – A Terracap entrou com o pedido de registro para a Etapa 2 do Jardim Botânico em 2008. Composto por seis condomínios (Estância Jardim Botânico, Estância Jardim Botânico II, Jardim das Paineiras, Mirante das Paineiras, Jardim Botânico I e Jardim Botânico VI), que totalizam 1.225 lotes, o registro da área foi objeto de impugnações questionando a propriedade.

    Após 10 anos de disputa na Justiça, a Terracap provou ser a proprietária da área e, enfim, registrou o parcelamento em cartório.

    Após o início do cadastramento dos moradores da região, para participar da regularização por meio da venda direta, alguns condomínios impetraram uma ação no Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

    O desembargador Souza Prudente, após a interposição de agravo pelos representantes dos condôminos, manteve o processo na Justiça Federal e declarou a indisponibilidade da área, até que uma perícia determinasse se os condomínios da Etapa 2 do Jardim Botânico estão em terra pública ou privada.

    Ascom/Terracap

    61-3342-2328

    ascom@terracap.df.gov.br

      

     

     

    2017-10-26 13:12:17 - Cartilhas
  • Como faço para demarcar o meu terreno?

    Atualizado em Janeiro/2020

    A demarcação do imóvel é necessária para obtenção do alvará de construção junto às administrações regionais. Os interessados nesse serviço deverão observar o seguinte:

    Documentação exigida:

    •        Documentos pessoais (RG e CPF ou CNPJ);
    •        Escritura ou contrato de compra e venda do imóvel ou Contrato de Concessão ou Certidão de Ônus do imóvel;
    •        Para imóvel objeto de contrato com a Terracap e que não tem registro o interessado deve-se apresentar o termo de ocupação e a planta;
    •        Para imóveis adquiridos de terceiros, deve trazer documentação da escritura de compra e venda ou a Certidão de Ônus do imóvel.

    Observação:

    Será cobrado por esse serviço uma taxa de Demarcação, conforme tabela abaixo:

    Validade: Dezembro/2020
    Aprovação: Decisão nº 146/2006 - DIRET
    Processo Número: 111.000.086/75

    Metragem do imóvel (m2)

    Valor da Taxa de Demarcação

    até 199m²

     R$   431,67

    de 200 a 499m²

     R$   455,67

    de 500 a 999m²

     R$    482,47

    de 1000 a 1.999m²

     R$    585,78

    de 2000 a 3.999m²

     R$   820,11

    de 4000 a 4.999m²

     R$   1.171,69

    de 5000 a 49.999m²

     R$ 1.640,34

    de 50000 a 119.999m²

     R$ 3.280,63

    acima de 120.000m²

    Apropriação Específica

    DITEC/GETOP - Janeiro/2020

     

    Observações:

    1 - No cálculo da taxa de demarcação de lotes contíguos será considerada a soma das áreas dos lotes.
    2 - A Declaração de Demarcação tem prazo indefinido e será expedida em uma única via.
    3 - No caso de extravio do original da Declaração de Demarcação e/ou da perda dos piquetes, o proprietário do lote deverá requerer nova demarcação efetuando-se o pagamento do preço devido. 
    4 - Quando da alienação, a TERRACAP entregará o lote demarcado (Lei nº 6.766/79), sem expedição de Declaração de Demarcação.

     

    Local e formas de esclarecer dúvidas:
    Atendimento SAC: sac@terracap.df.gov.br
    Atendimento Presencial: localizado no Térreo do Ed. Sede da Terracap, no SAM Bloco F.
    Horário de atendimento: 7h às 19h, em dias úteis.

     

    Fonte: DIATE

    2014-01-08 13:11:28 - Serviços (atualizado em 11/2020)
  • Demarcação de Lotes

    A Declaração de Demarcação é o documento necessário para iniciar o processo de liberação do alvará de construção junto às administrações regionais. Esse serviço somente é prestado para imóveis urbanos, registrados pela Terracap.
    A Terracap oferece os Serviços de demarcação de terrenos. Esse serviço poderá ser solicitado de forma presencial ou por meio do sistema GSO – Gestão de Serviços OnLine.
    A Terracap não demarca imóveis RURAIS e IRREGULARES.
    Valores válidos até 31/12/2020 – Atualização janeiro/2020.
    VALOR DA TAXA DE DEMARCAÇÃO
    Metragem do terreno (m2) VALOR
    0 a 199 m2 R$ 431,67
    200 a 499 m2 R$ 465,67
    500 a 999 m2 R$ 482,47
    1.000 a 1.999 m2 R$ 585,78
    2.000 a 3.999 m2 R$ 820,11
    4.000 a 4.999 m2 R$ 1.171,69
    5.000 a 49.999 m2 R$ 1.640,34
    50.000 a 119.999 m2 R$ 3.280,63
    Acima de 120.000 m² Consultar a Terracap

    Locais e formas de acessar o serviço:
    Divisão de atendimento ao cliente – DIATE
    Endereço: SAM Bloco F, Térreo - Edifício-sede Terracap - Brasília- DF

    Validade: Dezembro/2020

    Aprovação: Decisão nº 146/2006 - DIRET 

    Processo Número: 111.000.086/1975

    2013-11-26 12:36:00 - Serviços

Chat On-line